Diabetes: Saiba como controlar a Glicemia ao praticar exercícios físicos

A prática de exercícios por pacientes com diabetes é fundamental para o controle da taxa de açúcar no sangue. A doença é caracterizada pela concentração elevada de glicose na corrente sanguínea e seus efeitos figuram entre os principais fatores de risco para doenças cardiovasculares. Contudo, muitos pacientes evitam se exercitar porque têm medo de, durante o treino, sofrerem crises de hipoglicemia ou hiperglicemia (queda acentuada de taxa de açúcar no sangue ou elevação súbita, respectivamente). Uma das formas a qual o  paciente recorre para acompanhar as oscilações é o uso de aparelhos que medem os sinais em tempo real. Porém, pode ser difícil para educadores físicos e pacientes fazer a correta interpretação dos dados. Pensando em facilitar a compreensão e, consequentemente, melhorar o treino, pesquisadores da Universidade de Swansea, no País de Gales, desenvolveram um manual que indica com precisão o que fazer de acordo com as informações fornecidas durante a prática.

Esse guia, que pode ser encontrada no site da Springer, foi produzido pela universidade galesa e aprovado pela Associação Americana de Diabetes. Ele utiliza as informações disponibilizadas, como consumo de carboidratos e limiares do nível de glicose saudável, para definir os melhores programas de exercício. Segundo a orientação, a prática esportiva, sem restrição de modalidade ou intensidade, deve ocorrer quando os números do aparelho apresentam de 5.0mmol/l a 10.0 mmol/l (90mg/dl até 180mg/dl) de glicosa, mas preferencialmente deve estar a partir de 7.0 mmol/l (126mg/dl). Caso os números estejam abaixo ou acima, é sugerido evitar a prática ou controlar as concentrações ingerindo mais  carboidrato quando a quantidade de açúcar estiver baixa e, em casos de hiperglicemia, o controle deve ser feito por meio de injeção de insulina (hormônio que permite a entrada da glicose circulante no sangue para dentro das células).  Em situações de pacientes com tendência a hipoglicemia, os níveis aceitos para a atividade física podem chegar até 15 mmol/l. (270mg/dl).

Outra avaliação necessária é a taxa de corpos cetônicos (substâncias solúveis resultantes da quebra de ácidos graxos, que pode ocorrer durante a prática de exercícios).  “Podemos ver isso de forma indireta a partir de uma alta quantidade de glicemia (acima de 250mg/dl) e sinais clínicos como, por exemplo, o hálito”, explica o educador físico Bruno Gion, do Hospital Israelita Albert Einstein. “Quando há algum desses sinais, a prática é contraindicada.”

Para a produção do guia, os estudiosos de Swansea entrevistaram fisiologistas, cientistas do esporte, diabetologistas, endocrinologistas, diabetologistas pediátricos e nutricionistas. Após a coleta das informações, os pesquisadores criaram o documento, aprovado na Conferência Internacional de Tecnologias Avançadas & Tratamento para diabetes, que ocorreu em Madri, Espanha, em 2020.

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.